Le Desordre C’est Moi


A Desordem

Depois de 2 anos e meio nesse endereço absurdamente dificil de escrever (Le Desordre C’est Moi), agora estou escrevendo aqui:

www.adesordem.com

www.adesordem.com

www.adesordem.com

www.adesordem.com

www.adesordem.com

Se você já seguia meu RSS, é só mudar pra esse endereço aqui: http://feeds.feedburner.com/adesordem

Ainda tá bem no comecinho, mas é isso aí. Lá com certeza vai ser bem mais atualizado que aqui, tá?

Beijo 🙂



Por mais responsabilidade online
agosto 2, 2010, 2:29 pm
Filed under: Comportamento, para pensar | Tags: , , ,

Cada vez mais a internet está tomando o lugar do face-to-face, do telefone e de toda a burocracia que isso poderia levar  imprimindo papéis,  chamando motoboys e indo atrás de todas os possíveis registros  de uma ligação telefônica. Hoje, os emails tomaram o lugar das conversas diretas e registram tudo automaticamente. Mas o que deveria ser para facilitar, muitas vezes dificulta.

A internet ainda não é considerada um meio sério de “convivência” por muitas pessoas. Quantos emails referentes a interesse de empregos você enviou e quantos obteve resposta? Isso não aconteceria se você precisasse ir até a porta do local e perguntar qual suas chances e pedindo uma posição. A internet é um meio que muitos ainda consideram informal e não tão sério quanto o real, parece que esquecem que por trás de cada palavra há uma pessoa, e que as relações são basicamente as mesmas. A possibilidade de ignorar uma pessoa sem parecer tão grosseiro cresceu brutalmente com o advento da internet. Você nunca recebeu um “Não recebi seu email” ou alguém com o status de Ausente respondendo suas mensagens no MSN?

Muitas pessoas justificam essa “desimportância” por alguns assuntos que são tratados online porque não consideram um meio totalmente seguro, principalmente pelos SPAMs que muitas vezes tiram a credibilidade de seu email da empresa. O que eles se esquecem é que todos os dias nós ouvimos milhares de assuntos diferentes na rua, no ônibus, no rádio e até conversando com os amigos. Isso não poderia ser considerado spam? Assuntos que muitas vezes você não se interessa, mas é “obrigado” a ouvir? Na internet, ainda há a possibilidade de deletar sem abrir, mas e no mundo real? Você vai mandar a mulher do caixa do banco parar de reclamar com você por um assunto que você não se interessa? Vai dar as costas para os assuntos de elevador e ser chamado de anti-social ou mal educado? Muitas pessoas não hesitam em tomar esse tipo de atitude, mas não há como fazer isso com seu chefe, um policial ou qualquer pessoa que não pode considerar que você o desrespeitou (por mais que apenas não queira ouvir aquela dissertação).

Porque ainda há essa imensa separação do mundo real do virtual, sendo que em todos os meios, existem pessoas por trás de um pensamento ou opinião? Se for para considerar um meio tão promissor como é considerada a internet, vamos começar a tratá-lo com mais seriedade?



A essência de um relacionamento
julho 19, 2010, 4:55 pm
Filed under: Comportamento, Inspiração, Literatura, para pensar, sentir | Tags: , , ,

Companheirismo

Casamento

Há mulheres que dizem:
Meu marido, se quiser pescar, pesque,
mas que limpe os peixes.
Eu não. A qualquer hora da noite me levanto,
ajudo a escamar, abrir, retalhar e salgar.
É tão bom, só a gente sozinho na cozinha,
de vez em quando os cotovelos se esbarram,
ele fala coisas como “este foi difícil”
“prateou no ar dando rabanadas”
e faz o gesto com a mão.
O silêncio de quando nos vimos a primeira vez
atravessa a cozinha como um rio profundo.
Por fim, os peixes na travessa,
vamos dormir.
Coisas prateadas espocam:
somos noivo e noiva.

Adélia Prado

Poucas palavras que resumem como é fácil, possível e delicioso ser feliz quando se tem um companheiro (e não apenas um marido/mulher).



Hopenhagen – Coca Cola
janeiro 2, 2010, 11:20 am
Filed under: Design, Inspiração, para pensar, Propaganda, publicidade | Tags: , , ,

A Coca-Cola embalou-se na conferência de Copenhagen e lançou uma campanha, composta de 3 anuncios, com o slogan “A bottle of Hope”. Em cada uma delas é incentivada a reciclagem da embalagem do produto (e consequentemente de todas as embalagens plásticas semelhantes a da Coca), uma propondo criar vasinhos para plantas com a embalagem, em outra dizendo para recicla-las e na terceira para não jogar embalagens no mar ou em lagos.

Coca Cola Hopenhagen

Em todos os anuncios o hotsite da campanha é utilizado como fonte de informações sobre a PlantBottle, que é este aqui: livepositively.com
O site dá informações sobre reciclagem e conscientização sobre o aquecimento global, além de divulgar campanhas e eventos em pról do meio ambiente. No canal Products você também pode conferir curiosidades, fatos e mitos sobre alguns produtos da Coca Cola, além do Live Positive Guide, onde diversas duvidas sobre a marca e o produto Coca Cola são respondidas, inclusive questões sobre cafeina, saúde, qualidade e nutrição.

Via Ads of the World


“Te como inteira!” – Meu post no Papo de Homem.
dezembro 23, 2009, 3:06 pm
Filed under: Comportamento, leitura, para pensar, Vida Real | Tags: , , , ,

Fui convidada a participar do Ladies Room no site Papo de Homem, e meu texto abordou o aprisionamento do olhar masculino perante as mulheres. O mais legal do PhD não são apenas os posts, mas principalmente os comentários. Aconselho que leiam pelo menos alguns, pois lá saem conclusões e idéias incríveis, separando o joio do trigo, é claro. Infelizmente sempre existirão mulheres e homens machistas que não tem capacidade de análise além de seu próprio ego ferido, mas sempre tem os comentários incríveis que acrescentam conhecimento.

Te como inteira! – Sobre o sutil aprisionamento do olhar masculino

Dêem uma olhada e deixem sua opinião, isso é bem importante 🙂
Está sendo uma experiência incrível!



Concurso Nextel – Não tenho limites
dezembro 15, 2009, 11:50 pm
Filed under: eu quero, Inspiração, Interessante, para pensar | Tags: ,

Espírito Livre

A experiência de viver deveria ser apreciada por todos. A rotina é apenas uma desculpa da preguiça de tentar sorrir por dentro. Todo dia é uma chance para experimentar novas sensações, sentimentos, agir de forma diferente, dar risada de forma diferente, e fazer o dia de alguém mais feliz, inclusive o seu. Sair do comum não é largar o emprego e ir morar na praia, mas sim sorrir para o vira-lata que passa na rua, começar a segunda feira de bom humor, deixar o carro entrar na sua frente e sorrir para o motorista. É preciso ver que tudo a sua volta está te dando felicidade, basta você enxergar.

Estou participando do concurso cultural da Nextel, chamado Não tenho limites, com esse texto. Inicialmente entrei só por curiosidade no site, mas como a idéia é ótima, os vídeos que estão disponiveis são super inspiradores, resolvi participar. Como estou sem camera, vai texto mesmo. Gostaram?
Aqui você pode votar no meu texto – e eu apreciaria muito se vocês me dessem 10 – e ver os outros textos, vídeos, sons e fotos:
http://www.naotenholimites.com.br/Promocao.aspx#32

A promoção começou ontem, dia 15/12, e a primeira fase vai até dia 15/01. Aí tem mais duas fases de 1 mês, premiando os primeiros colocados de cada categoria em cada fase, e no final um colocado geral entre todas.  Cada vencedor em cada fase ganha um BlackBerry Curve 8350i, que tem rádio junto, com tudo pago por 6 meses. Os vencedores finais ganham o mesmo aparelho com 1 ano de uso totalmente grátis, além de a produção de um anúncio e um filme publicitário baseados nos materiais vencedores.

O que eu mais gostei foi a idéia do concurso, mostrar para as pessoas porque você “Não tem limites”, o que já incentiva as pessoas a também não terem, serem mais libertas. E precisamos bastante disso hoje em dia. Todo mundo acomodado e vivendo como robôs, enquanto a vida toda está aí, para ser vivida.



Você só recebe de si mesmo quando dá aos outros.
dezembro 10, 2009, 6:03 pm
Filed under: para pensar, relacionamento, sentir | Tags:

Manter um relacionamento é difícil, e estará mentindo quem dizer que não. Você precisa aprender a dividir tudo com alguém que não compreende metade das suas atitudes porque não é você mesmo, e é assim inversamente também. Por que ele sempre precisa fazer essa careta quando não gosta de alguma coisa?
É difícil dividir sua vida com alguém que, apesar de te amar, não é você. Dividir as mesmas experiências com alguém que há alguns meses atrás era um completo desconhecido e você vivia sua vidinha sem nem pensar em se relacionar. E agora? Agora você se descabela quando ele não liga e briga porque ele não abriu a porta do carro para você entrar. Agora me diz, quem abria a porta para você entrar antes desse relacionamento começar?
Quando iniciamos um relacionamento, nossas prioridades mudam, e queremos muito mais do que tivemos quando a solteirisse era nossa melhor amiga. Mas é claro, você me diz, afinal um relacionamento é pra te adicionar coisas, certo? Errado.
Um relacionamento só existe quando você adiciona coisas nele. Quando seu parceiro adiciona alguma coisa nele. O que aprendemos é a adicionar, não a alguém nos acrescentar algo. Não devemos esperar que o homem perfeito apareça e te acrescente alguma coisa. Você acrescenta a ele, e você aprende a dar (sem piadinhas). A equação dos relacionamentos é justamente aprender a dar para receber. Você dedica a uma pessoa algumas de suas qualidades, dá a ela o prazer de receber, e recebe o prazer de aprender a dar. Porque no final, ela não vai receber nada seu, e sim apenas dela mesma, que também está tentando dar alguma coisa ao relacionamento (e não a você, veja bem).
E no final, ninguém recebeu nada de ninguém, apenas de si mesmo. E aquela história de que as pessoas completam-se apenas por elas mesmas está corretíssima. Mas sem alguém do seu lado, você nunca vai aprender a arte de doar-se, e então, nunca vai receber, mesmo que seja de si mesma.
Esse parece ser o primeiro passo, aprender a dar para receber de si mesma. Depois de passar essa fase, talvez você acabe por começar a ouvir o outro e talvez receber alguma coisa de alguém além de você mesmo. Mas o que predomina, sempre, é o que você vê dos outros e da vida, capta para si mesma, aprendendo sozinha a tornar-se aquilo que gostaria que fosse. Ou não.