Le Desordre C’est Moi


Sound conducts the symphony of life
setembro 16, 2009, 2:09 pm
Filed under: Design, Inspiração

Vídeo produzido em Stop Motion pela BYU design para o 5th Typophile Film Festival.
Sensacional, vale a pena conferir.



Ankle Boots dos sonhos
setembro 10, 2009, 4:00 pm
Filed under: eu quero, Moda | Tags: , ,

ankle boots carvela

Duas ankle boots da Carvela que que achei na ASOS. MORRI. Que coisa MARAVILHOSA, meu DEUS. Chorei sangue.

A primeira você pode ver aqui e a segunda aqui.



Censura a internet no período eleitoral 2010
setembro 9, 2009, 1:03 pm
Filed under: Atualidades, Vergonha Alheia, Vida Real | Tags: ,

Texto de Marcelo Träsel, retirado desta petição online: http://www.petitiononline.com/BRA2010/petition.html

Nunca sabemos se estas petições virtuais dão algum resultado, mas não custa nada assinar e divulgar.

Segue:

PELA LIBERDADE DE OPINIÃO E INFORMAÇÃO NA CAMPANHA ELEITORAL DE 2010

A rede mundial de computadores é o meio de comunicação mais democrático desenvolvido pelo homem. A comunicação mediada por computador é diferente da comunicação de massa, porque não há monopólio sobre a circulação de informação. Não é necessário ter uma concessão pública para divulgar idéias ou apoiar candidatos usando a Internet, como é o caso da televisão e do rádio. Os custos de operação são muito menores do que os custos de produção e distribuição de jornais e revistas. As redes de computadores oferecem acesso universal com pouca necessidade de recursos financeiros, enquanto a mídia de massa apresenta as barreiras do alto custo e do controle sobre a distribuição. Em outras palavras, dificilmente um cidadão pode criar um jornal ou uma emissora de televisão para apoiar um candidato ou partido, mas qualquer cidadão pode fazê-lo na Internet.

Sem compreender essa diferença fundamental entre os meios de comunicação de massa e os canais de comunicação via redes de computadores e telefonia móvel, nenhuma lei eleitoral pode atender às necessidades da democracia. A Internet oferece oportunidades inéditas para a participação popular no processo eleitoral, na medida em que todo brasileiro com acesso a uma biblioteca pública ou a uma lan house pode expressar suas opiniões políticas e estabelecer um relacionamento mais próximo com seus candidatos.

Entendemos que o objetivo de qualquer legislação eleitoral seja inibir o abuso do poder econômico e da influência política por parte dos candidatos. Porém, a Internet é o primeiro meio a oferecer as mesmas oportunidades dos candidatos dotados de grandes orçamentos aos candidatos sem recursos. Não há nenhum recurso de comunicação via redes de computadores para o qual não exista uma alternativa gratuita e – e, muitas vezes, de melhor qualidade. O controle excessivo termina por favorecer justamente quem tem mais dinheiro para investir em um website e outras peças de campanha. Publicação de vídeo e áudio, gerenciamento de comunidades e fóruns, aplicativos de galerias de fotos e de agenda, são todos sistemas complexos e caros. Os candidatos mais ricos poderão contar com todas essas facilidades. É preciso que os candidatos com menos recursos financeiros possam contar com o uso de ferramentas gratuitas.

Entendemos ainda que o controle excessivo da comunicação via Internet durante o período de campanha eleitoral pode emudecer o cidadão. O apoio a um candidato ou partido por parte de um indivíduo ou grupo é diferente de propaganda. No primeiro caso, temos a expressão legítima de crenças políticas com o objetivo de expor idéias e debatê-las com outros cidadãos, um processo social normal nas democracias. No segundo caso, temos a fabricação de mensagens sob contrato, com o intuito de influenciar a opinião pública no sentido de tomar uma ação em favor de um candidato específico. É preciso que a legislação eleitoral crie uma diferença entre expressão de pontos de vista políticos e a mera propaganda. A voz da sociedade não pode ser sufocada por regras que criem insegurança jurídica para a atividade de divulgação de opiniões políticas legítimas.

Infelizmente, as regras eleitorais vigentes, determinadas pelo Tribunal Superior Eleitoral no pleito de 2008, e as propostas de legislação ora sendo discutidas pelo Congresso caminham no sentido oposto dos objetivos mais desejáveis para a democracia: igualdade de oportunidade para os candidatos e liberdade de expressão para os cidadãos. Portanto, solicitamos aos parlamentares que levem em conta o exposto nesta petição e promovam um debate aberto com a sociedade, antes de definir as regras para as eleições de 2010. Sem ouvir os movimentos políticos, os setores e pesquisadores ligados às atividades de comunicação e os indivíduos e organizações participantes da vida civil, o Congresso arrisca-se a criar uma legislação inócua e prejudicial à legitimidade das eleições.

Garantir a livre expressão da opinião política a qualquer tempo nas redes de comunicação é a melhor forma de garantir que o Brasil acompanhe o avanço da participação cidadã no resto do mundo democrático.

Marcelo Träsel, jornalista, mestre em Comunicação e Informação (UFRGS) e professor da PUCRS

Segundo o site da UOL, o Senado decide hoje se irá restringir ou não a cobertura eleitoral na internet. A votação começa as 16hrs.

Você pode se informar mais sobre isso no Blog do Fernando Rodrigues.

Gente, que absurdo é esse? Em resumo, durante o periodo eleitoral, você não poderá expressar sua opinião a favor ou contra QUALQUER político nem em seu blog, nem twitter, nem facebook, nem NADA. Não poderá fazer “propaganda de graça e sem fundamento”, não poderá dizer nada que pense sobre isso, simplesmente nós todos teremos que fingir que as eleições praticamente não estão ACONTECENDO. Pra mim isso é total apoio a alienação do povo.
O senado tem medo do povo se comunicar e trocar informações sem sua interferencia. Isso é um ABSURDO, censura totalmente deslavada e retrógrada!
Cade a p*** da liberdade de expressão?



Love your job
setembro 8, 2009, 10:52 pm
Filed under: emprego, Inspiração, Propaganda, publicidade | Tags: , , , ,

Vídeo muito bom feito por – pasmem! – um daqueles sites de busca de empregos. O protagonista do vídeo é o Danny MacAskill, um escocês de 23 anos que pratica bike trials (um tipo de le parkour, mas com bicicleta) que você pode ver no vídeo.
O que mais me surpreendeu, além de sua performance, foi essa propaganda ser de uma “agência” de empregos! As poucas propagandas que já vi deste tipo de local são ultra retrógradas, com flyers/email-marketing massantes e, consequentemente, chatíssimos. Totalmente o contrário dessa, que faz o espectador se envolver de verdade com o que a agência de empregos realmente pode trazer a todos nós: uma paixão.

A música, ótima por sinal, é do Aereogramme, chamada Barriers.