Le Desordre C’est Moi


Mexicano para vegetarianos

Sou vegetariana há aproximadamente 5 anos, e além dos próprios, só quem está sempre ao lado de uma sabe o quanto vegetariano sofre para comer em lugares de gente “normal”. Tanto em barraquinhas de yakissoba até restaurantes caros. Estava fazendo uma lista com alguns restaurantes e possiveis pratos que posso escolher e resolvi colocar aqui. Lembrando que eu sou estudante e, se por acaso estivesse trabalhando, seria estagiaria.  Logo: Pobre.  Logo: preços baixos sempre foram fatores decisivos, já que o Paitrocinio não colabora muito…

Sempre gostei muito de comida mexicana e bem apimentada, faz meses que procuro um restaurante bom, bonito e barato para comer em são paulo, de preferencia mas não necessariamente, um bom rodizio mexicano. Alguns que encontrei, não sempre rodizios, que quero experimentar:
Don Miguel Mexican Bar
Fui apenas uma vez nesse restaurante que fica no Tatuapé, justamente por ser o unico que tem rodízio de comida mexicana, bom para adentrar neste tipo de culinaria. O preço dele é em torno de 39 reais aos fins de semana e 22 durante. Fui durante a semana. Ao chegar lá avisei o garçon que era vegetariana e ele conversou com o cozinheiro, que adaptou todos os pratos inclusos no rodízio para mim. O lugar é lindo, as bebidas são muito boas, mas achei o preço do rodizio um pouco caro. Comi MUITO, mas não pagaria 40 reais nesse rodízio.
Os garçons são super atenciosos e como fui de dia de semana, estava bastante vazio (ainda bem).

Rua Itapura, 757 – Tatuapé
Tel:  11 2097 6383

La Buena Onda
Ainda não fui, mas pretendo. Pelo que li o ambiente é bem simples, os preços são super em conta, mas a comida é deliciosa e costumam ser bem grandes. Há um cardapio com preços no site, e existem opções de Crispy Tacos Veggie, Quesadillas vegetarianas, Burritos Natureba Wrap, além da opção de montar seu próprio burrito escolhendo os ingredientes, e as opções óbvias, como nachos e saladas. Parece que vale a visita e é na mesma rua que o restaurante acima.

Rua Itapura, 859 – Tatuapé
Tel: 11  2609-5060

Yucatán
Restaurante mexicano, com rodízio a r$29,00 a noite e r$26,00, com boa localização e um bom nome. Pelo que pesquisei na internet, eles fazem burritos vegetarianos com molho de feijão e também adaptam pratos para vegetarianos. Algumas resenhas dizem que o Yucatán foge um pouco da culinaria mexicana, com algumas adaptações e nada de extraordinario, nem mesmo a pimenta.

Av. Juscelino Kubitschek, 393 – Itaim Bibi
11 3846.3505

El Kabong
Restaurante clássico mexicano em SP. A comida segue bastante a tradição mexicana, mas os preços são um pouco altos demais. Tem um cardápio inteiro para vegetarianos, como dá pra ver aqui no site. Nunca fui, não posso opinar muito. Mas já vi muiita gente indo lá e ficando apaixonado. Nunca ouvi reclamações (a não ser por as vezes estar cheio demais). Mooorro de vontade de conhecer.

R. Mateus Grou, 15
Tel: 3064-9354

Outros restaurantes mexicanos que não sei se valem a pena para um vegetariano, mas li e ouvi falar bem sobre:  El Mariachi e Los Chicanos

Depois vou fazer uma lista sobre rodizios de comida japonesa que andei lendo e alguns que já visitei. (sim, vegetarianos vão em rodizio de comida japonesa, e comem MUITO).

Gordinha mode off.

Anúncios


Her Morning Elegance
fevereiro 18, 2009, 12:52 am
Filed under: Design

Lindo!



Drummond
fevereiro 5, 2009, 1:29 pm
Filed under: Literatura, Outros, Pessoal

Poema feito por mim há algum tempo, com trechos da obra Rosa do Povo, de Carlos Drummond de Andrade.
Gostei bastante do resultado.

O paralelismo dos opostos

Não faças versos sobre acontecimentos, (Procura da Poesia, verso 1)
porque o tempo não mais se divide em seções; o tempo (Vida menor, verso 26)
elidido, domado. (Vida menor, verso 27)
Vinte anos é um grande tempo. (Retrato de Família, verso 21)
Tempo de mortos faladores, (Nosso Tempo, verso 51)
Em teu chão calcinado onde apodrecem cadáveres. (Carta a Stalingrado, verso 67)

Conheço bem esta casa, (Nosso tempo, verso 55)
Sei apenas que é noite porque me chamam de casa. (América, verso 4)
É noite, não é morte, é noite.(Passagem da Noite, verso 17)
São puras, largas, autênticas, indevassáveis. (Consideração do Poema , verso 8)

Posso, sem armas, revoltar-me? (A flor e a Náusea, verso 5)
Sem fazer barulho, é claro,(Morte do Leiteiro, verso 40)
que barulho nada resolve. (Morte do Leiteiro, verso 41)
Sou apenas um homem. (América, verso 1)
Que a terra há de comer (Os últimos dias, verso 1)
Mas não coma já. (Os últimos dias, verso 2)

Tudo é precioso…(Movimento da Espada, verso 23)
O mundo e todas as coisas (Campo, Chinês e Sono, verso 4)
Como saber se está sonhando? (Campo, Chinês e Sono, verso 7)
Ficou um pouco de luz. (Resíduo, verso 5)

Estou exausta, cética, arruinada.(Noite na Repartição , verso 49)
Como compraste calma? Não a tinhas. (Como um presente, verso 19)
Como aceitaste a noite? Madrugavas.(Como um presente, verso 20)
Sinto que nós somos noite (Passagem da noite, verso 7)
após o desgaste (Uma hora e mais outra, verso 43)
em outro, tristeza. (Uma hora e mais outra, verso 45)

A infância está perdida (Consolo na Praia, verso 2)
Mas a vida não se perdeu. (Consolo na Praia, verso 4)
O último dia do tempo (Passagem do Ano, verso 12)
não é o último dia de tudo.( Passagem do Ano, verso 13)

A execução desse poema me fez perceber que todas as poesias de Drummond na obra A rosa do povo são filosoficamente contraditórias, hora clamando pela vida, hora esperando ansiosamente pela morte. Tentei transpassar ao máximo essa idéia em minha poesia, mostrando as duas faces da dúvida, percorrendo desde a afirmação inicial de receio de viver, até os trechos em que mostram que nem tudo está perdido, que há sempre uma solução e que nada justifica a perda de sua vida, apesar dos pesares. Mesclar as duas idéias no poema foi algo essencial, pois foi exatamente isso que vi no decorrer do livro, a mistura entre uma idéia e outra, contrapostas, analisando o bem e o mal e fazendo um apelo a cada uma delas, mostrando todas suas facetas de modo que quem lê, pode interpretar de diversas maneiras, baseando-se no ponto de vista pessoal.



Não tente
fevereiro 4, 2009, 4:31 pm
Filed under: para pensar, sentir | Tags: , , , , ,

Texto que eu escrevi há pelo menos dois anos atrás e acabei de encontrar no meu computador. Incrível como ele ainda bate comigo até hoje…

Não tente entender as mudanças, crises, vontades, loucuras.
Algumas coisas não mudam nunca, outras, mudam a toda hora.
Olhar pra frente com a cabeça erguida, independente do peso que carrega em suas costas.
Lutar com força, sabendo que podes vencer e podes perder. E aceitar o final com orgulho de ter lutado, independente do resultado.
Sempre, SEMPRE dar o maximo de sí em algo que julgas necessario.
Não desistir enquanto souber que podes tentar mais uma vez…se valer a pena.
Apaixonar-se diariamente por si mesmo.
Pensar antes de falar e fazer as coisas.
Ser espontaneo.
Amar, amar e amar de novo…se valer a pena.
Expandir horizontes.
Focar-se na sua felicidade.
Mudar, mudar e mudar de novo…e de novo.
Amadurecer.Aprender.Viver mais.
Lembrar de bons momentos como momentos que passaram e não voltarão nunca mais…e não sentir saudades.
Tentar mais uma vez.
Acreditar menos nas pessoas.
Acreditar mais nas pessoas.
Acreditar mais em si proprio.
Fazer valer a pena.
Saber que independente do que voce possa ou não possa fazer, existem coisas que não dependem só de você.
Procurar mais o lado positivo.
Buscar dentro de si mesmo o tipo de pessoa que você gostaria de conviver.
Sofrer,mas sofrer muito…sabendo que isso um dia vai mudar.Porque algumas coisas mudam a toda hora.
Outras…não mudam nunca.