Le Desordre C’est Moi


A beleza do outro
outubro 10, 2008, 4:25 am
Filed under: para pensar, relacionamento, sentir

Você consegue enxergar toda a beleza que há em seu parceiro? A beleza dos detalhes, das curvas, do jeito de ver a vida, das diferenças, do toque? Não basta apenas você amar uma pessoa com todas as suas forças, você (e ela) tem que trabalhar para isso dar certo. Ninguém foi feito para encaixar perfeitamente num outro alguém, as diferenças estão aí justamente para provar isso, e a idéia do amor é a explicação ideal do encaixe de dois corpos distintos. Todo ser humano possui defeitos, medos, anseios, desejos e prazeres. Voce sabe todos da pessoa que ama?

Muita gente, depois de um certo tempo de relacionamento, começa a se encomodar muito com algumas diferenças do outro. E por que não, ao invés de se estressar, desgastar e brigar por causa deles, não é criado um interesse justamente nessa reação? Tornar o que poderia ser um caos em desejo, em busca, conhecimento. Conhecer as excentricidades da pessoa que ama é tão importante quanto conhecer as qualidades. Aquele homem que a encanta só com um sorriso tem dentro de si um bom motivo para ser timido e fechado. Ao conhecer o que há de mais escondido dentro de seu parceiro, é possivel desvendar milhares de mistérios dele, e isso é fascinante! Conhecer cada pedacinho de suas idéias, cada desejo com seus minimos detalhes, sentir o cheiro do lugar que ele quer estar, pensar juntos em uma mesma coisa…
A partir daí você pode escolher continuar querendo que ele mude – o que será muito mais fácil de conversar, por compreender tudo que há por trás daquilo – ou continuar fascinado com aquelas diferenças gritantes entre vocês, que pode tornar tudo ainda mais excitante.

Mais do que apenas viver ao lado de alguém, é estar dentro do pequeno mundinho que ele vive. Assim como li outro dia no Não2Não1, é preciso aprender a respirar seu parceiro. Admira-lo enquanto dorme e ver como é linda aquela pequena cicatriz que adquiriu quando criança, no cantinho da testa, perto do cabelo. A barba crescendo irregular. Sentir o cheiro de seu corpo, com ou sem perfume, e se arrepiar com a explosão de sensações que esse cheiro lhe dá. Fechar os olhos e poder sentir suas mãos deslizando pelo seu corpo, sem que ele mova um dedo.

A pessoa que está ao seu lado, a vida toda, sentiu coisas totalmente diferentes das que você sentiu. Cada pedacinho de sua vida é uma experiencia única, vivida exclusivamente por ele. Uma das coisas mais fascinantes de se relacionar com alguém é compartilhar essas experiencias, não tentando faze-lo sentir como você sentiu, mas proporcionando experiencias que abrirão portas para sentir milhares de coisas novas.

O que parece estar se perdendo cada vez mais é a vontade de tornar a sua presença algo realmente marcante na vida de quem se ama. Muita gente sequer o faz porque não vê algo que o beneficie também. Oferecer algo que ela jamais sentiu fará com que esse momento seja lembrado daqui 10, 20, 50 anos, e isso refletirá em você a todo momento, através de respostas “com a mesma moeda”, maior liberdade para se abrir e mais conhecimento para você, sobre a pessoa que você ama. Quanto mais você se dá para uma pessoa que quer lhe receber, mais essa pessoa se dá para você.

É fascinante o poder que cada um tem sobre o outro num relacionamento. Acompanhar cada gesto, conhecer cada movimento, poder oscilar suas sensações em questão de minutos. Poder fazer aquele ser-humano que você tanto ama se sentir como o mais amado do planeta. Faze-lo gritar, transpirar emoção, sorrir bobo, tremer, tudo ao mesmo tempo. Aquelas pequenas descobertas que você faz ao longo do relacionamento se tornam peças principais na composição de situações que envolvem sensações únicas para ambos. A intimidade é a chave para tornar momentos simples em motivos para que o amor só cresça, se renove e seja lembrado para sempre.

Amar uma pessoa é como admirar uma obra de arte. Você consegue apontar milhares de detalhes, explicar cada pedacinho, se deliciar tentando entender o porque daquela cor estar ali naquele canto, supor milhares de teorias, mesmo que elas não sejam verdade, e ainda assim, mante-la ali, na cabeceira de sua cama, para poder admira-la com um novo olhar amanhã, e outro depois e depois…

Agradeço, por inspiração, ao Gustavo Gitti, que me fez abrir os olhos novamente para a importancia de se respirar a essencia do ser humano.

Tinha tanta coisa a dizer que acabei tentando esmagar tudo em um post só, tornando-o meio confuso. Faz anos que não escrevo o que estou pensando para alguém mais ler do que eu mesma, então tenho um desconto ^^.

Anúncios

2 Comentários so far
Deixe um comentário

Que lindo! Adorei.

Ah, meu nome é Gustavo, não Marcelo.

Bjo.

Comentário por Gustavo Gitti

Lindo, lindo. Sem palavras.
Isso abriu meus olhos, me fez pensar sobre o namoro, a vida, as pessoas… Vou o link do seu post pra várias pessoas, espero que abra os olhos delas também.
Abraços!

Comentário por Sarah




Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: